• 12-03-2019
  • A Psicologia Levada á Sério e Com Muita Leveza

    Com a chegada do envelhecimento, as pessoas se deparam com mudanças significativas em diferentes aspectos de sua vida. É de relevante importância saber enfrentar essas alterações para recuperar o bem-estar mental nessa etapa que se inicia.

    É um equívoco pensar que ao chegar na velhice não haverá objetivos a serem alcançados e desafios a serem superados. Por muitos anos a psicologia vem se desenvolvendo para contribuir com o bem-estar do idoso, apoiando e auxiliando no enfrentamento das mudanças que acompanham esta nova fase.

    Neste passo acontecem uma série de alterações emocionais, psíquicas, físicas e sociais. A maneira como o idoso enfrenta estas questões é o ponto crucial para que se descobrir, se ele caminhará de forma positiva aceitando as mudanças, ou de forma negativa apresentando sentimento de rejeição relacionados a sua história de vida.

    Com tudo, inegavelmente não é fácil assimilar, representar e assumir todas as transformações sozinho. Mas nem tudo são perdas, a terceira idade também pode trazer ganhos a serem desfrutados, como o incentivo do tempo para realização de novas e agradáveis atividades e o ressignificado da forma saudável em que se vive sua plenitude.

    Uma possibilidade não tão otimista também pode ocorrer quando se depara com o outro lado, onde há conflitos e crises que são desencadeadas devido à não aceitação das mudanças, fato comum nesta fase, pois o idoso passa a apresentar várias mudanças físicas como perdas de funcionalidade e limitações não experimentadas.

    Como lidar com as Perdas?

    Devemos considerar também o processo de luto devido às perdas no decorrer de sua vida, a possível problemática para alguns idosos referente à aposentadoria na qual pode considerar-se inutilizado, condições de dependência para realização de tarefas cotidianas, perdas cognitivas, dificuldades de relacionamento, inversão de papeis familiares e sociais.

    Se nossos idosos não são vistos e trabalhados por meio de um método adequado, o comportamento poderá avançar para quadros depressivos, transtornos de ansiedade, alteração de comportamentos negativos e outros problemas emocionais e psicológicos.

    Para que o idoso tenha bom desempenho é importante que tenha um acompanhamento psicológico, que o ajude a ter a percepção sobre novos rendimentos nesse momento da vida, é indispensável que os mesmos compreendam as perdas e os ganhos e que reajam positivamente às mudanças ocorridas com o processo de envelhecimento.

    O psicólogo é o profissional capacitado a fim de orientar o idoso neste pleito de descoberta e de adaptação frente a sua nova realidade, ajudando-o a combater em condição satisfatória os desafios relacionados ao desenvolvimento do processo de velhice.

    Os idosos fazem parte da população mais acometida por doenças crônicas e degenerativas, principalmente as que afetam cognitivamente. Nestes casos o psicólogo é a figura importante para dar suporte emocional ao paciente, além de oferecer psicoeducação aos familiares para prepará-los e auxiliá-los nos cuidados frente à evolução da doença.

    Dessa forma, podemos oferecer apoio e recursos para enfrentamento e adaptação durante a progressão da doença. A importância de significar e ressignificar os sentimentos e os valores da família são a alavanca para garantir que o idoso se sinta acolhido e com o sentimento de pertencimento.

    Tal amparo, certamente motivará o idoso a permanecer com boas expectativas e a responder às mudanças de maneira positiva. O suporte da Psicologia desenvolvida na Residência Primaveras é de endossar a soberania e identidade do idoso dentro de sua história de vida.

    Desenvolvemos tais intervenções:

    Psicoterapia como objetivo de aliviar sintomas, angústias e ansiedade, restabelecendo a estabilidade emocional, a diminuição ou eliminação de um estado patológico e a melhoria do bem-estar dos idosos e de seus familiares.

    Acompanhamento individual e em grupo proporcionando a saúde mental e a adaptação frente ao processo de institucionalização.

    Acompanhamento continuo, quando necessário, para manejo de seus sentimentos e pensamentos desadaptativos.

    Promoção de atividades psicoterapêuticas de reabilitação cognitiva e sensorial.

    Avaliação Neuropsicológica, quando necessário.

    Incentivo à comunicação pessoal facilitando a expressão de sentimentos e pensamentos sobre o momento vivenciado.

    Participação em reuniões Multidisciplinares, a fim de planejar e orientar as demais equipes no que tange à ações voltadas ao bem estar do idoso.

    Acompanhamento aos passeios externos garantindo a avaliação psicológica com a intenção de validar os reais sentimentos e pensamentos frente às atividades desenvolvidas.

    Orientação junto à equipe de saúde sobre como devem atuar adequadamente com cada idoso, respeitando sua história de vida, identidade e autonomia.

    A psicologia ainda atua nos treinamentos frente às lideranças e colaboradores com o propósito de garantir o desenvolvimento continuo, proporcionando a qualidade na assistência.

     

     

    Dra. Veruska Mendes Vasconcelos

    Neuropsicóloga
    CRP 06/101561

     

    Fonte: Witter, Carla. Psicologia e envelhecimento, 2011

     


    Posts recentes